MS se reúne com agentes de saúde e reforça importância deles na luta contra a dengue

Encontro contou com mais de 3,5 mil profissionais que atuam no enfrentamento das arboviroses, com destaque para as orientações à comunidade
Reuniao agentes.png
Como parte das ações coordenadas pelo Ministério da Saúde no combate à dengue, a ministra da Saúde, Nísia Trindade, se reuniu, nesta terça-feira (20), com agentes de Combate a Endemias (ACEs) e Comunitários de Saúde (ACSs), além das respectivas lideranças, para reforçar a importância do papel desses profissionais no enfrentamento à dengue. Atualmente, o Brasil conta com mais de 102 mil ACEs e mais de 267 mil ACSs. 
“Eu queria falar da importância que vocês têm neste momento de crise, da pauta muito ampla e da força muito grande que possuem. Os agentes são mensageiros da saúde, que entram nas casas das pessoas levando a mensagem da saúde e eu ansiava muito por esse encontro com vocês”, frisou a ministra. 
“Esse ano, nós incorporamos a vacina ao SUS, mas ela é uma esperança e não, de fato, um instrumento para esse momento. Então, temos que fazer a boa e velha saúde pública, trabalhar junto, reforçar a rede de saúde para atender aquelas pessoas que precisam e orientar a população”, concluiu Nísia. 
Os Agentes Comunitários de Saúde existem há 33 anos no Brasil - desde 1991 - e são modelo de criação de vínculo e confiança dos usuários do SUS, que inspira a execução de projetos similares, inclusive internacionalmente, como no sistema de saúde britânico. 
Já os Agentes de Combate a Endemias desempenham um papel importante como educadores para a cidadania na saúde, pois conhecem intimamente a realidade das comunidades e, durante visitas às residências, estabelecimentos comerciais, depósitos dos mais variados tipos, conseguem orientar e melhorar as condições de saúde da população. 
Diálogo com hospitais privados e filantrópicos 
Em outra iniciativa de alinhamento no combate à dengue, a pasta recebeu, no último dia 9, representantes das unidades de saúde privadas e filantrópicas de todo o país. Na ocasião, foram discutidas estratégias para ampliar o acesso às informações de manejo clínico no enfrentamento à doença. O Ministério da Saúde tem ofertado seminários virtuais e treinamentos com o objetivo de atualizar e capacitar os profissionais de saúde. A ideia é que haja uma parceria com os hospitais para promover treinamentos locais. 
Segundo o secretário de Atenção Especializada à Saúde, Helvécio Magalhães, a participação da rede privada de saúde na campanha é imprescindível e a prioridade é atender a população com qualidade. “É essencial que as entidades disseminem para todas as suas equipes que estamos agindo em conjunto para prestar um bom serviço à saúde pública e privada no Brasil”, afirmou.
Fórum de governadores 
As ações contra a dengue também foram debatidas com os estados. No dia 7 de fevereiro, a ministra Nísia participou de um fórum com governadores de todo o país. Chefes do Executivo de oito estados (Goiás, Amazonas, Acre, Rio Grande do Sul, Amapá, Rio Grande do Norte, Tocantins e Bahia) e representantes de outros oito (São Paulo, Ceará, Rondônia, Santa Catarina, Maranhão, Paraná, Pernambuco e Espírito Santo), além do Distrito Federal, acompanharam as discussões.
Cada unidade federativa atualizou a situação em que se encontra, inclusive com alguns governadores informando um cenário de estabilidade de casos em seus territórios. 
Ações em execução 
Desde 2023, o ministério está em constante monitoramento e alerta quanto ao cenário epidemiológico da dengue no Brasil, coordenando uma série de ações para o enfrentamento das arboviroses em todo o território nacional. 
Entre elas, a pasta ampliou o repasse em até R$ 1,5 bilhão para apoiar estados e municípios em ações de vigilância e assistência à população, reforço nas ações de prevenção e controle da dengue, regularização dos estoques de inseticida, treinamento e formação dos profissionais de saúde e dos agentes de combate às endemias em todo país. A vacina, pela limitação de doses disponíveis para o SUS pelo fabricante, é uma das estratégias que se soma às demais ações de combate à dengue que já estão em andamento. 
O Ministério da Saúde adquiriu todo o estoque disponível de vacinas da dengue do laboratório fabricante - 5,2 milhões de doses que serão entregues entre fevereiro e novembro de 2024. Além dessas, também serão distribuídas 1,32 milhão de doses fornecidas sem custo ao Governo Federal. Para 2025, 9 milhões de doses que estavam disponíveis também foram compradas. É importante reforçar que outras aquisições podem ser feitas se houver nova disponibilidade de doses à pasta. 
Foi instalado ainda o Centro de Operações de Emergência contra a dengue (COE Dengue). A iniciativa, coordenada pelo Ministério da Saúde, em conjunto com estados e municípios, visa acelerar a organização de estratégias de vigilância frente ao aumento de casos no Brasil, permitindo mais agilidade no monitoramento e análise do cenário para definição de ações adequadas e oportunas para o enfrentamento da doença no país. 
Ministério da Saúde
Saúde e Vigilância Sanitária

Post a Comment

Aviso aos internautas:
Quando você comenta como anônimo, sua opinião não tem nenhum valor e não será publicada. Portanto pedimos aos nossos leitores que ao fazer comentários se identifiquem.
A sua opinião é muito importante para nós.

Postagem Anterior Próxima Postagem