Quem sou eu

Um apaixonado pela vida, carioca, nascido e criado no Rio de Janeiro, na Praia do Flamengo, entre as ruas Ferreira Viana e Silveira Martins (Aterro do Flamengo), como um bom carioca, a minha escola de samba é a Mangueira; no futebol eu torço pelo meu Vasco da Gama (saudades do Maracanã, e de São Januário), adoro um bom Chopp, um bom samba, um blues bem clássico, dependendo do momento sou um pouco eclético. Mulher, oh bicho complicado e bom..., como diz o Martinho da Vila, "pode ser de todas as cores, de várias idades, de muitos amores, de todos os tipos, atrevida, acanhada, vivida, casada, carente, solteira, feliz, donzela e meretriz, cabeças ou desequilibradas, confusas, de guerra e de paz..." rsrs, mas tem que ser mulher.

Adoro uma boa praia, passear, culinária, queijos, bom vinho, Chopp, estrada, viajar, sair sem destino, ouvir um bom blues, aproveitar e viver a vida enquanto estamos vivos, respeitar as leis, a democracia, defender as liberdades, respeitar opiniões, mesmo não concordando, mas também me expressar e defender minha formação de opinião, tenho minha preferência política, partidária e ideológicas como qualquer ser humano, mas asseguro que quando faço jornalismo a minha bandeira é com a verdade, não tendo partido e nem político de estimação, no exercício da minha profissão o pau que bate em Chico, bate em Francisco, e no Zé também. Outra coisa importante, amar...

No início dos anos 80, no meu período de alistamento militar, fui passar uns dias na casa de um Tio em Cariacica-ES, para ter o álibi que estava ausente de meu domicílio para não ter que servir o Exército Brasileiro, só que o "tiro saiu pela culatra" (rsrs), acabei passando alguns anos como Cabo do PELOPES no 38º Batalhão de Infantaria em Vila Velha/ES, e digo, foi onde aprendi os primeiros passos para a vida, pois o Exército me preparou para o mundo e os ensinamentos foram os melhores, posso afirmar por mim que até hoje não tenho dificuldades, procuro enfrentar todos os problemas, apesar das adversidades que a vida nos proporciona.

Após sair do Exército (na época se eu tivesse a cabeça que tenho hoje, não teria saído) vim passar umas férias na cidade de Fortaleza/CE na casa de minha Avó Materna, local que já conhecia de outras temporadas, só que permaneço nesta terra maravilhosa até os dias atuais... Oh férias boas...
Durante esses mais de trinta anos, estive no Poder Judiciário, Polícia Civil, constitui família e tenho um filho, fiz excelentes amizades, me profissionalizei, passei em algumas administrações públicas, conheci inúmeros políticos, descobri a porta da corrupção, e achei que poderia fazer alguma coisa de produtivo para a sociedade, não ser corrupto e de alguma forma procurar combatê-la.

Sou jornalista e blogueiro, editor do www.juniorpentecoste.com.br, um portal político, com a linha de combater a corrupção e a malversação do dinheiro público, onde a administração que é má, que é ruinosa, que é abusiva, onde se desperdiçam seus valores ou se dilapidam bens. É ainda a administração em que o administrador, conscientemente, desvia valores ou subtrai bens em seu benefício, locupletando-se abusivamente à custa do dinheiro do povo, do erário público, a famosa troca de favores por vantagens, e deixando em último plano os benefícios para a sociedade, para os mais carentes, excluindo os que vivem em vulnerabilidade social, deixando de fazer pelo bem da coletividade, ignorando os princípios básicos de uma administração pública como legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência na saúde, segurança, educação, assistência social e dignidade humana.

Fazer o combate a corrupção nos motiva, principalmente quando o nosso trabalho serve como pauta ou embasamento para as ações do Ministério Público e Órgãos fiscalizadores do dinheiro público, temos o nosso serviço reconhecimento no Brasil dentro da Blogosfera Nacional em relação ao nosso jornalismo investigativo. Odeio os politiqueiros que se aproveitam da política para surrupiar (ROUBAR) o dinheiro público em benefício próprio e enriquecer de forma ilícita, e a cada dia infelizmente encontramos mais pilantras deste gênero, então nosso trabalho continua, apesar de ser uma atividade árdua e de risco.

"Sou jornalista, eu não me calo"

Então a vida segue seu rumo, continuamos o nosso trabalho e vamos continuar a curtir essa vida maravilhosa.

Esse é o Junior Pentecoste, um forte abraço!