É o pré-sal, estúpido!

Imagem: Blog do Esmael
A cerrada campanha com que a mídia partidarizada vem sangrando a Petrobrás nas últimas semanas segue incólume, sem as devidas reações por parte dos gestores da empresa. Além das disputas eleitorais que movem a oposição, sabemos que o arsenal de ataques contra a Petrobrás tem por trás interesses muito maiores: acabar com o regime de partilha que fez da estatal a operadora única do maior campo de petróleo da atualidade. "É o pré-sal, estúpido!", como diria o marqueteiro de Bill Clinton, que nas eleições norte-americanas de 1992, resumiu a vitória dos democratas com uma frase ácida que tornou-se célebre em todo o mundo: "É a economia, estúpido!". 

A última edição da revista Veja não deixa dúvidas sobre as reais intenções da campanha que tenta desmoralizar a gestão estatal da Petrobrás, visando sua privatização. "Como o PT está afundando a Petrobras" é a matéria de capa da  revista,  cuja linha editorial é claramente tucana. Detalhe: o presidente da editora Abril, Fábio Barbosa, foi conselheiro da Petrobrás entre 2003 e 2011 e um dos que mais defendeu na época a compra da refinaria de Pasadena.  

O senador Aécio Neves (PSDB/MG), o  principal articulador da campanha contra a Petrobrás, também reafirmou aos empresários paulistanos suas intenções em relação à empresa: "Acredito que as concessões são a melhor forma de atrair investimentos", declarou no dia 31 de março durante um almoço no Grupo de Líderes Empresariais. Provável candidato tucano à Presidência da República, Aécio já havia defendido o regime de concessão para o pré-sal em outubro do ano passado, após o leilão de Libra. "A Petrobrás não terá condições, sei lá, sequer de participar com os 40% devidos desse leilão de agora, como poderá pensar em participar daqui a dois anos, se fosse necessário, estratégico para o Brasil fazer outros leilões?", discursou na época no Plenário do Senado.

FHC é outro tucano que voltou a defender publicamente as privatizações do seu governo. Em artigo recente, ele conclama a oposição a "tomar à unha o pião dos escândalos da Petrobrás", "reafirmando a urgência de mudar os critérios de governança das estatais". 

É por essas e outras que precisamos alertar a sociedade e o povo brasileiro para as reais intenções dos setores conservadores que atacam a Petrobrás, inclusive por dentro da empresa, tentando retomar a agenda neoliberal que nos anos 90 sucateou e privatizou parte considerável da estatal.  A Petrobrás é e continuará sendo estratégica para o desenvolvimento do país. Não podemos permitir que sangrem um dos maiores patrimônios do povo brasileiro. Defender a Petrobrás é defender o Brasil! - Por: Federação Única dos Petroleiros - FUP

Vamos nessa: Há inúmeros interesses escusos e podemos perceber a trama da oposição contra a Petrobrás e o interesse na partilha do pré-sal. Segundo a publicação, não é de hoje que as disputas eleitorais afloram esses interesses. Observamos através da federação, a campanha encabeçada pela oposição, apoiada por setores da mídia, com tantos ataques à estatal e que tem um único interesse: sua privatização.

Os setores conservadores do Brasil atacam a estatal para tentar reimplantar a política neoliberal que sucateou a Petrobrás, vendeu a Vale a preço de banana e prejudicou outras públicas na era FHC.

A prova disso está em recentes declarações feitas pelos próprios tucanos.

O senador Aécio Neves (PSDB/MG), pré-candidato à Presidência da República, afirmou que as concessões do pré-sal são a melhor forma de atrair investimentos estrangeiros. Já o FHC também aproveitou o pretexto da CPI da Petrobrás para defender as políticas de privatizações iniciadas em seu governo. "Cabe às oposições tomar à unha o pião dos escândalos da Petrobrás", declarou recentemente em artigo no qual defendeu, como de costume, a necessidade de mudar os critérios de governança das estatais.

O que nem FHC, nem o PSDB lembram - ou gostam de lembrar, é que o negócio mais polêmico da Petrobrás foi feito durante seu mandato. A transação de troca de ativos com a Repsol, em que o Brasil entregou 3 bilhões de dólares e recebeu 750 milhões de dólares - "oh negocio" - O acordo foi contestado judicialmente e hoje ainda está no Superior Tribunal de Justiça. (Partido dos Trabalhadores)

Resumindo: Eles querem o controle da maior jazida de dinheiro do mundo, assim eles tirariam a Petrobrás do povo, é isso que querem, inventando crises da Petrobrás, inventando diversas CPI, tentando junto com a imprensa golpista dar o maior golpe na nossa Petrobrás, mas vamos defendê-la com unhas e dentes, vamos desmontar essa nova tática deles depois da farsa do mensalão, depois da farsa do julgamento da AP 470, vamos mostrar a realidade ao povo brasileiro. (William Lima)

Muitos blogueiros utilizam os blogs normalmente para emitirem suas opiniões sobre os demais assuntos com os quais tenham afinidade.

"É no blog onde muita gente expõe o que pensa ou acha sobre a vida, as pessoas e o mundo. No entanto, poucos blogueiros percebem que a popularização excessiva também pode trazer surpresas negativas e desagradáveis. Ao achar que estão livres para escrever na rede mundial de computadores o que pensam de forma indiscriminada, sem fontes ou mesmo omitindo nomes das informações ou fontes, agindo com sensacionalismo ou deixando a imparcialidade e tornando-se pessoal, alguns blogueiros podem correr riscos judiciais... No blog, não existe "informação de bastidores", não existe "segundo informações...", não existem "informações extra-oficiais" - Tudo no blog tem que ter a fonte, a origem ou que seja de sua edição, autoria ou responsabilidade.

Uma empresa ou uma pessoa, ao se sentir ofendida por algo escrito no blog, pode processar o autor. As conseqüências podem ser mais sérias, com pagamento de multas pesadas e, em situações mais raras, até prisão. No Brasil, há vários casos de blogueiros que se sentiram coagidos a apagar comentários ou tirar o blog do ar. 

Um comentário ofensivo pode gerar dois tipos de responsabilidade jurídica: a criminal e a civil. A criminal, em regra, resulta na prisão do culpado. No entanto, em crimes leves – como nos casos de crimes contra a honra, que são os mais comuns em blogs, a prisão pode ser substituída por prestação de serviços à comunidade e/ou multa. Já a condenação civil é sempre patrimonial e consiste no pagamento de uma indenização à vítima pelos danos sofridos." 

Calúnia 

A calúnia (art. 138 do Código Penal) é a imputação (atribuição, dedução) falsa de um fato criminoso a alguém. É necessária a descrição do falso crime. Ex.: um comentário em que o autor afirma que viu Fulano roubando livros da biblioteca na noite anterior é uma calúnia. Mas o uso de expressões como "ladrão", "bandido", "corrupto" etc. caracteriza a injúria, não a calúnia. 

Injúria 

A injúria (art. 140 do Código Penal) é qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes, como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão, em geral representa o crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem. 

Difamação 

A difamação (art. 139 do Código Penal) consiste em ofender a reputação de alguém. Ao contrário da calúnia, aqui não há necessidade de que os fatos sejam falsos. Ex.: um comentário no qual o autor afirma que viu Sicrana se prostituindo na noite anterior. Mesmo que Sicrana tenha feito isso, ela pode processar o autor por difamação. 

Entenda a diferença: um comentário dizendo que "Sicrana é uma prostituta" pode configurar injúria, enquanto a descrição do que Sicrana estava fazendo é difamação, pois houve a descrição do fato desonroso. Para ser processado, as ofensas precisam ser feitas contra uma vítima determinada. A afirmação vaga de que "há um colega na minha sala que é ladrão", sem a possibilidade de determinar a quem o autor se refere, não configura em crime."

O blogueiro é completamente responsável pelo que publica ou escreve.

No dia 14 de agosto do 1965, ano seguinte ao golpe, o então embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Lincoln Gordon, enviou a seus superiores um telegrama então classificado como altamente confidencial – agora já aberto a consulta pública. A correspondência narra encontro mantido na embaixada entre Gordon e Roberto Marinho, o então dono das Organizações Globo. A conversa era sobre a sucessão golpista.

Por Helena Sthephanowitz, para a Rede Brasil Atual


Embaixador Gordon descreve em detalhes
ao Departamento de Estado dos EUA
a influência de Marinho
Segundo relato do embaixador, Marinho estava “trabalhando silenciosamente” junto a um grupo composto, entre outras lideranças, pelo general Ernesto Geisel, chefe da Casa Militar; o general Golbery do Couto e Silva, chefe do Serviço Nacional de Informação (SNI); Luis Vianna, chefe da Casa Civil, pela prorrogação ou renovação do mandato do ditador Castelo Branco.

No início de julho de 1965, a pedido do grupo, Roberto Marinho teve um encontro com Castelo para persuadi-lo a prorrogar ou renovar o mandato. O general mostrou-se resistente à ideia, de acordo com Gordon.

No encontro, o dono da Globo também sondou a disposição de trazer o então embaixador em Washington, Juracy Magalhães, para ser ministro da Justiça. Castelo, aceitou a indicação, que acabou acontecendo depois das eleições para governador em outubro. O objetivo era ter Magalhães por perto como alternativa a suceder o ditador, e para endurecer o regime, já que o ministro Milton Campos era considerado dócil demais para a pasta, como descreve o telegrama. De fato, Magalhães foi para a Justiça, apertou a censura aos meios de comunicação e pediu a cabeça de jornalistas de esquerda aos donos de jornais.

No dia 31 de julho do mesmo ano houve um novo encontro. Roberto Marinho explica que, se Castelo Branco restaurasse eleições diretas para sua sucessão, os políticos com mais chances seriam os da oposição. E novamente age para persuadir o general-presidente a prorrogar seu mandato ou reeleger-se sem o risco do voto direto. Marinho disse ter saído satisfeito do encontro, pois o ditador foi mais receptivo. Na conversa, o dono da Globo também disse que o grupo que frequentava defendia um emenda constitucional para permitir a reeleição de Castelo com voto indireto, já que a composição do Congresso não oferecia riscos. Debateu também as pretensões do general Costa e Silva à sucessão.

Lincoln Gordon escreveu ainda ao Departamento de Estado de seu país que o sigilo da fonte era essencial, ou seja, era para manter segredo sobre o interlocutor tanto do embaixador quanto do general: Roberto Marinho.

E seu relato, Gordon menciona Marinho entre os cérebros da continuidade do golpe. E cita Milton Campos como muito respeitável, mas um 'gentleman'


Eleições diretas poderiam das margens para 'esquerdistas' como o marechal Lott; regime criaria eleição indireta



Marinho discutiu com Castelo Branco a possibilidade de Costa e Silva vir a sucedê-lo


O histórico de apoio das Organizações Globo à ditadura não dá margens para surpresas. A diferença, agora, é confirmação documental.

O deputado federal José Airton Cirilo participou na noite desta quinta-feira (10/04) na Assembleia Legislativa do Ceará, da sessão solene em homenagem aos ex-presos políticos que militaram no período da ditadura.

Durante o evento aconteceu o lançamento do filme “A mesa vermelha”, da cineasta Tuca Siqueira, que resgata a memória de 23 políticos presos no estado de Pernambuco durante a Ditadura Militar. Na solenidade foram homenageados, pela luta e resistência em defesa da justiça, da democracia e da liberdade, os ex-presos políticos em Pernambuco Francisco das Chagas Dias Monteiro – “Chico Passeata” (in memoriam), Dr. Inocêncio Uchôa e Mário Miranda Albuquerque.

Participaram também da solenidade presidida pela deputada Eliane Novais, o deputado professor Pinheiro, o vereador João Alfredo, além de membros de diversas organizações ligadas a luta dos direitos humanos.
Por: Luiz Carlos Azenha

O Tijolaço nos informa que o diário direitista gaúcho Zero Hora teve o seguinte a dizer sobre a entrevista do ex-presidente Lula a blogueiros: “O ex-presidente sentou-se à mesa com pessoas que não têm como oferecer a neutralidade reclamada. Seus ouvintes eram responsáveis por blogs assumidamente governistas, muitos dos quais sustentados por verbas oficiais.”

O Zero Hora, como se sabe, pertence à família Sirotsky, do Grupo RBS, parceiro comercial e ideológico das Organizações Globo (olhem na lista acima) no Sul do país.

Se tivesse feito o trabalho jornalístico que se requer de uma poderosa empresa jornalística, teria descoberto o óbvio: a grande maioria dos blogueiros que entrevistaram o ex-presidente Lula não recebe um tostão sequer de “verbas oficiais”. Basta consultar as informações divulgadas pela Secom, a Secretaria de Comunicação Social ligada à Presidência da República.

Da entrevista participaram Renato Rovai (Revista Fórum e Blog do Rovai), Altamiro Borges (Blog do Miro), Conceição Lemes (Viomundo), Fernando Brito (Tijolaço), Marco Weissheimer (Sul 21 e Carta Maior), Eduardo Guimarães (Blog da Cidadania), Rodrigo Vianna (Escrevinhador), Kiko Nogueira (Diário do Centro do Mundo) e Miguel do Rosário (O Cafezinho).

Posso estar errado, mas dos veículos acima citados só a Carta Maior constava da listagem mais recente a que tive acesso, numa proporção absolutamente compatível com a importância que o site tem para a esquerda brasileira e para o público de esquerda existente no país.

Portanto, além de mentir neste ponto - “muitos dos quais sustentados por verbas oficiais” -, o Zero Hora sonegou de seus leitores outra informação fundamental, se realmente pretendia debater financiamento oficial da mídia e independência editorial.

Sonegou o fato de que o Grupo RBS certamente está na lista dos maiores receptores de dinheiro público dentre, digamos, os 50 maiores grupos de mídia do Brasil, pois recebe dinheiro do governo federal, de governos estaduais e de prefeituras. Se pretendia debater honestamente o assunto, o Zero Hora deveria contar aos leitores quanto exatamente a RBS recolhe em “verbas oficiais”.

O que levaria os leitores a concluir: se o Zero Hora, com todo o dinheiro oficial recebido pelo Grupo RBS, pode se declarar “independente”, por que blogueiros que não recebem um tostão em dinheiro oficial não podem ser independentes? Teriam sido abduzidos pelo lulismo? Hipnotizados pelo petismo?

Por que sonegar dos leitores que os entrevistadores de Lula representam blogues de esquerda, que se contrapõem ao jornalismo de direita do Zero Hora? Ah, sim, porque na cabeça dos editores do diário gaúcho o Zero Hora paira sobre a sociedade, “neutro”. Não é conservador, nem de direita.

Se eventualmente elogiamos medidas do governo, o que nos custa a pecha de “governistas”, sem receber nada em troca, isso deveria ser elogiável: é demonstração de que colocamos convicções políticas adiante de interesses comerciais, algo muito raro no jornalismo de hoje. As convicções políticas da família Sirotsky, aliás, ficam absolutamente explícitas na linha editorial dos órgãos midiáticos do grupo RBS. Por que, então, deveríamos esconder as nossas? Isso não nos dá, nem a eles, o direito de distorcer, manipular ou mentir. Na entrevista de Lula foram tratados todos os temas importantes da conjuntura política atual, da Petrobras ao caso do deputado André Vargas, de Lula candidato à Copa do Mundo. Sem antipetismo doentio, sem pré-julgamentos e dando ao ex-presidente o direito de se expressar.

O Viomundo, como vocês sabem, tem como política não receber “verbas oficiais”, de governos de todas as esferas ou de empresas públicas.

Por que o Zero Hora não adota a mesma diretriz, que contribuiria para cortar os gastos públicos? Quantas creches e hospitais poderiam ter sido construídos com o dinheiro que o Grupo RBS embolsou até hoje em “verbas oficiais”?

Taí um exercício que os editores do diário gaúcho ficam devendo a seus leitores, assim como aos ouvintes e telespectadores do Grupo RBS: um debate honesto sobre o financiamento da mídia.


É óbvio que sabemos exatamente o motivo da chiadeira da família Sirotsky.

Ela se revolta com a perda do monopólio da informação, que até recentemente permitia ao grupo selecionar as notícias “existentes” ou não, os ângulos e as frases pinçadas de uma longa entrevista que permitiam empacotar a sua “versão” dos fatos.

Desculpem, mas a internet acabou com isso: entrevistas longas, em tempo real, ficam imediatamente disponíveis, na íntegra, em rede, permitindo a leitores/ouvintes/telespectadores que fiscalizem eles próprios as distorções, omissões e manipulações tão comuns na mídia corporativa (na mesma tarde da entrevista a assessoria do ex-presidente denunciou que Folha e O Globo haviam adulterado a fala de Lula).

Desde muito antes de Assis Chateaubriand, empresas jornalísticas brasileiras cresceram explorando a capacidade de extorquir dinheiro sob a ameaça de investigar/denunciar/desconhecer autoridades ou empresários; para os que abriram o cofre, em compensação, ficou o benefício do “espaço controlado” para falar à opinião pública.

Quando um líder como o ex-presidente Lula decide falar sem tal intermediação corporativa, paira no ar forte ameaça ao monopólio da palavra que sustenta o jornalismo chantagista.

A ação de Lula ameaça o bolso dos Sirotsky. É disso que se trata.

(Se o Zero Hora se desse ao trabalho de investigar antes de escrever besteira, encontraria críticas ao governo federal/Lula/PT no Viomundo, bastando clicar dentre dezenas de outros lugares aqui, aqui, aqui, aqui ou aqui).

[O Viomundo é sustentado por contribuições voluntárias de seus leitores. Estamos trabalhando nas contribuições involuntárias, mas a grana ainda não deu para comprar o AK47. Torne-se um assinante antes disso!]


Acostumada a ditar regras ou modismos e a conduzir a vida política e cultural do país a mídia tradicional depois de "reinar" absoluta por décadas encontra hoje um contraponto exemplar: a internet

Imagem: Blog da Dilma
Linha Direta - Alberto Cantalice - Longe de controles econômicos ou paradigmas a internet chegou para tirar o bolor e a manipulação constante do noticiário, notadamente, da chamada grande imprensa e seus articulistas que se consideram os “donos da verdade”.

A aprovação do Marco Civil da Internet coloca o Brasil na vanguarda e libera as redes das amarras do mercado. A vitória da neutralidade da rede na Câmara impediu de a mesma se transformar em uma mera TV a cabo que geraria o aumento dos custos para os usuários e dificultaria o acesso das camadas populares aos benefícios da internet.

O engajamento de diversos setores da sociedade e o firme propósito da Presidenta Dilma em garantir o Marco Civil resultaram em uma votação quase unanime na Câmara dos Deputados, fato relevante para assunto de tamanha envergadura.

As esquerdas por terem tido sua voz omitida nos grandes veículos e por terem sofrido uma longa e sistemática perseguição pela ditadura do pensamento único devem estimular o uso das redes sociais. Se já existissem as ferramentas de rede social a escandalosa manipulação perpetrada pela Rede Globo de Televisão do debate entre Lula e Collor em 89 teria sido desmascarada em tempo real. A farsa do ataque da bolinha de papel engendrada pelo então candidato José Serra em 2010 com o auxílio das redes sociais pode ser denunciado e desmascarado.

Competir com o poderio econômico dos meios tradicionais de comunicação é dificílimo. Estabelecidos há décadas e bafejados pelos poderes financeiros nacionais e internacionais, os grandes meios de comunicação construíram no Brasil verdadeiros oligopólios midiáticos de gestão familiar. Essa condição monopolística não encontra paralelo em nenhuma grande democracia do mundo moderno. Como pode um único grupo de comunicação possuir Tvs abertas e fechadas, rádios, jornais, revistas, editoras e até gravadoras? Nos Estados Unidos, Meca do capitalismo mundial, as leis vigentes não permitem tal situação.

Aqui, fortalecidos pela subalternidade de variados setores políticos, eles podem isso e muito mais. Tem sido difícil garantir o Direito de Resposta contra ataques desferidos pela mídia, objetivando arruinar a reputação de pessoas físicas e jurídicas. Eles acobertam-se com o manto da “liberdade de expressão” que só vale para um lado: o lado deles!

O Partido dos Trabalhadores já percebeu o dinamismo das novas ferramentas de comunicação. O PT, por ser um partido de militantes e ativistas, muitos com o “couro curtido”, pela longa disputa política, vem mostrando a face e agindo à luz do dia nas redes.

A contribuição da valorosa e combativa militância do PT, divulgando as ações dos governos populares e, ao mesmo tempo, combatendo as mentiras e calúnias que se apresentam no dia a dia tem sido um diferencial.

Diferentemente dos partidos políticos, cuja principal função é a disputa eleitoral, o PT mantém e amplia seus vínculos com os movimentos sociais e com as pautas que visam o aprofundamento da democracia no Brasil. O caminho a se percorrer para que sejam ampliadas as conquistas da imensa maioria de brasileiras e brasileiros que vive à mercê da pausterização do noticiário é longo.

Disputar a pauta de mudanças é tarefa nossa. Quanto mais ativos e participantes formos, mais condições teremos de alcançar os setores da sociedade brasileira que se encontram do lado de fora das discussões políticas, seja por desconhecimento, pelo afastamento ou por desencanto provocado pelo denuncismo, sem fim, dos meios de comunicação tradicionais.

Submetidos ao bombardeio reiterado da imprensa comercial e da pusilanimidade de certos intelectuais que são meros porta-vozes do antiprogressismo, grande parcela da nossa população não tem acesso a outro tipo de opinião.

Por tudo isso apoiar a mídia alternativa também é uma obrigação das forças populares. O simples fato de amplificar as vozes no panorama da comunicação já é de grande valia. Mesmo quando um blogueiro ou outro não pense como nós.

Há espaço de sobra para uma atuação firme que vise apresentar novidades. A mesmice é a razão da força do status quo. Sejamos diferentes esse é o caminho do futuro.

*Alberto Cantalice é Vice Presidente do PT

“Este país será o que queremos se conseguirmos garantir a democracia”, diz Lula sobre golpe militar

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva gravou um vídeo sobre os 50 anos do golpe militar no Brasil. Em sua mensagem, ele lembra que que aquele momento histórico “suspendeu nosso regime democrático, revogou liberdades essenciais, prendeu milhares de militantes políticos e fez com que outros tantos tivessem que sair do país”.

Lula ressalta que as lembranças da ditadura devem servir para valorizarmos “ainda mais o período democrático que o Brasil vive hoje”. Apenas em períodos de democracia “trabalhadores, mulheres, todos os segmentos sociais podem chegar ao poder pois têm o pleno direito de expressão e manifestação”, afirma o ex-presidente.

O direito à livre manifestação é enfatizado por Lula, que ressalta a importância da participação popular na democracia: “Apenas em uma democracia o povo pode ir às ruas reivindicar seus direitos pois a democracia não é nenhum pacto de silêncio, é a sociedade em movimento buscando novas conquistas”.

“Devemos sim lembrar nosso passado, lamentar o período sombrio pelo qual passamos, mas sobretudo lutar a cada dia para ampliar a nossa democracia, incluindo cada vez mais gente e fazendo com que nosso sistema político represente cada vez melhor o povo brasileiro. (…) Este país será o país que queremos se conseguirmos garantir a democracia”, finaliza.

Assista aqui o vídeo no site do Instituto Lula:

Qualquer pessoa que a natureza tenha dotado de um mísero neurônio ficará intrigada com os textos e comentários que a grande mídia publicou sobre a entrevista que o ex-presidente Lula concedeu a blogueiros na última terça-feira (8/4). Quem são os blogueiros que essa mídia critica sem dar nomes? Por que não diz quem são? Qual é a razão desse mistério todo?

Além de distorcer as palavras de Lula ou até de inventar coisas que ele não disse, a mídia ainda vem caluniando esses blogueiros. Que calúnias? As de sempre, de que eu, por exemplo, digo aquilo que digo porque sou “financiado” pelo governo federal.

Não há grande jornal ou telejornal que não tenha divulgado algum texto atacando os blogueiros. Em geral, com ironias, dizendo-nos “amigos” de Lula, como no caso da colunista da Folha de São Paulo Eliane Cantanhêde, casada com um marqueteiro com extensa folha de serviços prestados ao PSDB e que, há anos, dedica-se a atacar o PT todo dia.

Antes de prosseguir, um esclarecimento: infelizmente, não sou “amigo” de Lula; sou, apenas, um admirador e eleitor. Defendo o ex-presidente desde 1989. Neste blog, defendo desde 2005, quando criei a página. Nunca escondi isso de ninguém. Mas ser amigo é outra coisa.

Não frequento a casa de Lula, não tomo uma cachacinha ou fumo um havana com ele. Não tenho nem mesmo seu telefone pessoal. Gostaria, mas não tenho esses privilégios.

Aliás, posso garantir que, na entrevista que Lula concedeu a blogueiros, nenhum deles pode se dizer seu “amigo” no sentido literal.

Mais grave, porém, é quando a mídia calunia. A mesma Eliane Cantanhêde e a mesma Folha de São Paulo distorceram a fala de Lula sobre a situação do país.

Ao responder a uma pergunta sobre a razão dos protestos de rua, Lula disse que ainda não foi possível fazer tudo que precisa ser feito, mas que Dilma vai ter que ver como melhorar ainda mais o país. A mídia distorce tudo e diz que Lula criticou o governo Dilma ao dizer que “poderíamos estar melhor”.

A Folha escreveu essa distorção em editorial e a colunista em sua coluna, contígua aos editoriais do patrão.

Poderia ficar citando, um a um, essa extensa fila de colunistas e editoriais da grande mídia que atacaram os blogueiros com ironias ou até com calúnias, mas devido à repercussão da entrevista acho ocioso.

Enfim, direito de criticar todo mundo tem. Até distorcer a fala de Lula aos blogueiros, como fizeram tantos veículos, não requer muito gasto de tempo porque a entrevista pode ser assistida por quem tiver interesse na verdade e, assim, essas distorções terão sido inúteis. Já para quem não se preocupa com os fatos, mas sim com as versões, não adianta dizer nada porque vai acreditar só no que quer.

Mais grave, porém, é o que fizeram os comentaristas da Globo Merval Pereira e Carlos Alberto Sardemberg na rádio CBN. Ambos acusaram os blogueiros que entrevistaram Lula de terem as opiniões que têm por serem financiados pelo governo federal.

Ouça aqui o áudio, a calúnia sobretudo de Sardemberg.

Epa! Que história é essa? Não posso falar pelos outros companheiros que estiveram comigo na entrevista. Porém, que eu saiba nenhum dos que estavam ali recebe financiamento do governo federal para dizer o que pensa.

Sim, talvez algum dos entrevistadores tenha publicidade oficial em seu site assim como a Globo ou a Folha têm… Mas e daí? A Secom federal tem normas muito claras para anunciar em qualquer veículo. Ter um anúncio do Banco do Brasil ou da Petrobrás quer dizer que aquele blogueiro diz o que diz por causa dessa publicidade?

Ora, o governo de São Paulo gasta uma montanha de dinheiro com a Folha de São Paulo ou com a Globo ou com a Abril ou com o Estadão. E daí? Está comprando esses veículos para que ataquem tão obsessivamente o PT?

Sardemberg e Merval foram longe demais. Mesmo que algum dos blogueiros que entrevistaram Lula receba alguma publicidade oficial, como afirmar que é por isso que tem a opinião que tem sobre o governo federal, sobre Lula, sobre o PT?

Eu, por exemplo, nunca recebi um tostão do governo federal. Nem publicidade. Nadinha. E se recebesse seria legítimo. Ninguém teria o direito de me acusar de dizer o que digo devido àquele contrato de publicidade.

Sei que a grande maioria dos blogueiros que entrevistaram Lula está na mesma situação que eu. Mas, repito, mesmo que alguém daquele grupo tenha alguma publicidade oficial em seu site isso não autoriza ninguém a dizer que essa publicidade é que manda no que diz. Essa acusação é crime de calúnia, de difamação, de injúria. Causa danos morais e materiais.

Não conversei com os amigos blogueiros, mas essa conversinha entre Merval e Sardemberg me parece criminosa.

A mídia sempre toma cuidado ao acusar blogueiros. Não lhes dá nomes. Desta vez, porém, dois de seus caluniadores foram imprudentes ao darem nomes, ainda que indiretamente. Só quero ver como irão provar que o Eduardo Guimarães, por exemplo, foi subornado para ter as opiniões políticas que repete todo dia neste blog há quase uma década. 

O deputado José Airton denuncia que a Ponte JK sofre mais um processo de descredibilidade, pois a licitação da empresa LOMACON, cujo diretores são Alexandre e Léo Ribeiro, ainda está em fase de análise pelo DNIT. 

O deputado recebeu, na quinta-feira (3), a informação de que a empresa LOMACON havia ganho a licitação para concluir as obras da Ponte JK mesmo sem o DNIT concluir processo licitatório. José Airton esteve na sexta-feira (4), na superintendência do órgão para averiguar a informação e constatou que a empresa LOMACON atropelou os trâmites legais do DNIT quando anunciou com festejos o falso ganho de licitação. A LOMACON festejou com fotos nas redes sociais, no Facebook do secretário de Turismo do Estado, Bismarck Maia, além da imprensa local de Aracati (sites, TV e rádio), cometendo um ato de ilicitude.  

Em reunião com o deputado o superintendente do DNIT informou que o órgão, na sua gestão, está focando um trabalho baseado na ética e dignidade dos funcionários que possuem uma idoneidade técnica e tudo corre dentro dos trâmites legais e em total sigilo. O superintendente não reconhece a empresa LOMACON como ganhadora da licitação, pois esse processo, como ele afirmou, é sigiloso e ainda corre dentro do órgão tendo que ainda passar pela analise da documentação da empresa que pleiteia a realização das obras da ponte JK. Ele lembra que existe um longo processo da licitação, leia-se lançamento do edital de licitação pelo RDC eletrônico, até a conclusão do processo que vai ocorrer junto com vários outros processos de licitação em todo o Estado e precisam ser homologados para depois serem publicados no Diário Oficial, o que efetivamente não ocorreu. Para ele, a legalidade de um anúncio só é possível após a aprovação da empresa pela Comissão responsável, a aprovação da documentação dessa empresa e a divulgação no Diário Oficial. Ou seja, qualquer antecipação de noticiário é especulação de um processo que ainda está sendo avaliado pela Comissão do órgão. 
Por Paulo Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

Segundo Mônica Bergamo, da Folha, Dilma se queixou do Jornal Nacional numa conversa que teve com João Roberto, o segundo dos três filhos de Roberto Marinho e responsável pelo conteúdo editorial das Organizações Globo.

Faz sentido, é claro.

O Jornal Nacional, absurdamente governista na ditadura militar, foi para a direção oposta quando o PT chegou ao poder.

Se o JN existisse sob Jango, é provável que ele seria mais ou menos como é hoje: uma ênfase extraordinária nas más notícias, reais ou imaginárias.

O que não faz sentido é a atitude de Dilma, e do PT no poder, diante da Globo. A Globo faz o que sempre fez: sabota governos populares e intimida o mundo político para que seus privilégios imensos sejam preservados.

E o que tem feito o governo em resposta? Nada. Repito: nada.

A evidência mais notável disso está nas verbas publicitárias que o governo destina à Globo. Em dez anos, foram 6 bilhões de reais, isso mesmo com a queda notável da audiência da emissora. (A Globo perdeu cerca de um terço do público na última década.)

Este dinheiro alimenta a máquina da Globo destinada à sabotagem de medidas favoráveis ao “Zé do Povo”, como o patriarca da Globo, Irineu Marinho, se referia aos cidadãos comuns.

O Secom, que administra a verba governamental, afirmava sob Helena Chagas que esse paradoxo – um dinheiro brutal para uma empresa que faz campanha contra – se devia a uma coisa chamada “mídia técnica”.

Pausa para rir. Ou chorar.

Nada justifica você premiar quem sabota você, ou numa visão mais ampla, a sociedade.

As mensagens oficiais veiculadas na Globo chegariam a um número maior de pessoas. Era mais ou menos o que dizia Helena Chagas.

Mas um momento. Que pessoas são mesmo estas? Elas verão – ou zapearão para fugir – comerciais que promove um governo que nas reportagens é brutalmente atacado sempre.

Pela lavagem cerebral a que é submetido, o típico admirador da Globo – ou da Veja – abomina o governo petista e estatais como Petrobras e Banco do Brasil.

Há lógica em gastar bilhões de reais para levar a este grupo publicidade de estatais que ele detesta?

Não. Não há.

Outro dia, vi uma publicidade da Petrobras na página de Reinaldo de Azevedo na Veja. Alguém já viu o que Azevedo e seus leitores dizem a respeito da Petrobras?

Um dos maiores erros do governo é exatamente a “mídia técnica”, que favorece quem age para corroê-lo ou mesmo, como se viu no julgamento do Mensalão, para destruí-lo.

Helena Chagas saiu e Thomas Trauman entrou. Haverá alguma mudança numa estratégia não apenas errada como suicida?

Os fatos dirão.

A recente pesquisa da Secom sobre consumo de notícias mostrou o avanço extraordinário da internet.

Testemunhamos isso de um lugar privilegiado. O DCM, em um ano de vida, saiu de pouco mais 100 mil visualizações mensais para 2,5 milhões. Passamos a barreira de 1 milhão de visitantes únicos por mês.

O fato de Lula ter escolhido blogueiros para dar uma entrevista é também revelador de que o PT parece ter acordado para a realidade: a internet é cada vez mais influente e a mídia tradicional cada vez menos. Fora tudo, é na internet que você encontra vozes alternativas à velha visão de mundo pró 1% defendida agressivamente pelas grandes corporações jornalísticas.

No caso da alardeada queixa de Dilma a João Roberto Marinho, muito mais efetivo que palavras seria um ajuste imediato e profundo na distribuição das verbas oficiais.

Quem ganharia com isso, na verdade, seria a sociedade – e com ela o projeto de um Brasil justo, algo que a Globo e as grandes empresas de mídia sempre combateram ferozmente.

Ex-chefe da Casa Civil e ex-secretário da secretaria estadual extraordinária da Copa em Mato Grosso, Eder Moraes, disse que o governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, ordenou que ele atrasasse os ritmos da obra da Arena Pantanal, a fim de comprometer o prazo original de entrega do equipamento; o governo estadual nega a existência da ordem


247 - O ex-chefe da Casa Civil e ex-secretário da secretaria estadual extraordinária da Copa em Mato Grosso, Eder Moraes, disse que o governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, ordenou que ele atrasasse os ritmos da obra da Arena Pantanal, a fim de comprometer o prazo original de entrega do equipamento. O governo estadual nega a existência da ordem.

O estádio que está sendo feito pelo governo estadual na cidade de Cuiabá começou a ser erguido em abril de 2010. Seu prazo original de entrega era dezembro de 2012, mas até esta sexta-feira (11) não estava concluído. No último dia 2, o estádio recebeu seu primeiro jogo oficial, com somente metade das cadeiras de arquibancada instaladas e uma série de trabalhos por serem finalizados.

Éder Moraes esteve à frente da secretaria até abril de 2012, quando teria pedido demissão do cargo. De acordo com ele, a ordem teria sido dada para que o equipamento não fosse concluído com muito tempo de antecedência em relação à Copa do Mundo, que começa no próximo dia 12 de junho, e que ficasse deteriorando desde sua conclusão até a Copa.

"Em 2012, o governador mandou que eu atrasasse a obra, para que o equipamento não deteriorasse com o tempo e não gerasse um custo extra de manutenção", disse. Apesar da ordem do chefe do Executivo estadual, o então secretário da Secopa MT teria se recusado a atrasar os trabalhos.

Ao UOL, o governo estadual disse que não houve ordem para qualquer atraso na obra da Arena Pantanal. Em nota, a Secopa MT afirma que "o secretário Maurício Guimarães, da Secopa de Mato Grosso, nunca recebeu tal ordem por parte do governador de Mato Grosso, Silval Barbosa". "Os atrasos na obra da Arena Pantanal ocorreram por diversos fatores já elencados publicamente, ajustes de projetos, entre outros", completa.

O destacamento do Exército na localidade de Corixa em Cáceres, no Oeste de Mato Grosso, foi desativado pelo 2º Batalhão de Fronteira (Befron), considerado um dos mais importantes no tocante a proteção da região Oeste. A desativação foi efetivada na data marcada de 28 de março. Esses postos militares atuavam na segurança da fronteira Brasil/Bolívia com efetivo de 15 militares em cada posto. Além de Corixa, foram também desativados os postos de Palmarito, que fica a quatro quilômetros da Bolívia; e ainda Santa Rita e São Simão.

JUNIOR PENTECOSTE.COM.BR, PERGUNTOU AO MINISTÉRIO DA DEFESA:

"Qual o motivo do fechamento destes postos se é considerado um dos mais importantes no tocante a segurança nas fronteiras?
Sou Blogueiro e queria essas informações para esclarecer em matérias que vou produzir na página (www.juniorpentecoste.com.br). 
Antecipadamente agradeço.

A RESPOSTA CHEGOU HOJE em 11/abril/2014 por e-mail em pdf e segue na íntegra:


MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
GABINETE DO COMANDANTE
CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DO EXÉRCITO

Prezado Senhor ... - Junior Pentecoste.com.br,

Ao cumprimentá-lo, cordialmente, o Serviço de Informações ao Cidadão do Exército Brasileiro (SIC-EB) acusa o recebimento do pedido formulado por V. Sa, registrado com o protocolo nº 08850000945201436.

Em atenção ao seu pedido o SIC-EB informa a V. Sa. que:

1. Atualmente, o Exército Brasileiro está passando por um processo de reestruturação, que contempla a racionalização de recursos e do efetivo existente, a fim de que novas estruturas possam ser criadas, com maior capacidade de atender às suas missões.

2. A desativação das instalações e a implantação de novas organizações/instalações militares na área foi precedida de minucioso estudo estratégico, técnico e operacional.

3. Nesse contexto, o Comando Militar do Oeste (CMO), área onde se situa parcela considerável da faixa de fronteira entre o Brasil e a Bolívia, está passando por um processo de reestruturação, favorecido pela implantação do Projeto Estratégico do Exército SISFRON (Sistema Integrado de Monitoramento das Fronteiras), o qual se encontra em pleno desenvolvimento.

4. Este projeto permitirá fortalecer a presença e a ação do Estado naquela região, com a atuação integrada do Exército, das demais Forças Singulares, Órgãos de Segurança Pública (OSP) e de agências governamentais.

5. Dessa forma, com a desativação dos destacamentos, na área de responsabilidade do 2º Batalhão de Fronteira, está sendo proposta a criação de 3 (três) Pelotões Especiais de Fronteira (PEF) em Guaropé, Casalvasco e Fortuna.

6. Essas frações de tropa atuarão em proveito do SISFRON, com material, equipamentos e viaturas modernos, apoiados em recursos tecnológicos, que permitirão manter monitoramento permanente na região fronteiriça, com capacidade de emprego em toda a área de responsabilidade, na manutenção da soberania nacional e cooperando com os OSP e agências na prevenção de ilícitos transnacionais.

Brasília-DF, 3 de abril de 2014.

Cordialmente,
Serviço de Informações ao Cidadão do Exército Brasileiro (SIC-EB).

Domingo (06) a cidade de Pentecoste presenciou um grande evento de motociclismo, falamos da II Etapa do Campeonato Cearense de Motocross que aconteceu no Motódromo Clube do Peixe com os seus personagens, atores, coadjuvantes e figurantes... 

Neste evento podemos perceber a importância das pessoas dos bastidores que fazem a coisa acontecer, presença de grandes pilotos de Pentecoste (Arley Lemos, Kennedy Macedo, Nauã, Ronchael "Nenem", Cristiano, Markim "Amburgão" e Tadeuzinho), também para abrilhantar tivemos pilotos de todos os Estados do Nordeste com as suas máquinas, patrocinadores, apoiadores, na comunicação contamos com o grande narrador de competições Carira Cross nome nacional neste ramo, S2 Sports fazendo a cobertura do I PENTECROSS, para o mundo do motociclismo (revista especializada), a cobertura local de Junior Pentecoste.com.br, a supervisão da competição foi da Federação de Motociclismo Cearense (FMC) presente dando total suporte e fazendo a inscrição para participar do evento, apenas pilotos credenciados e profissionais, a cronometragem ficou a cargo da Cronus Tec. 

O Motódromo Clube do Peixe com organização e realização do Dr Ricardo Bertini, tornou-se neste I PENTECROSS, uma grande feira de negócios tendo a participação de revendedores de motos, peças e serviços, enfim um mundo grande de negócios dos mais variados segmentos e muito lazer...

Imagens Junior Pentecoste.com.br

O domingo com muito sol, calor, adrenalina e muita emoção já a partir das 9hs com treinos livres e reconhecimento da pista. Após as 13h a tão esperada competição. Lembrando que no sábado (5), todos os treinos foram cancelados devido a chuva que caiu durante a tarde no circuito.

Neste mundo de velocidade e adrenalina, tivemos as seguintes categorias com informações da S2 Sports: 

MX1 
- Com gate cheio, a principal corrida do campeonato, teve domínio soberano de Arthur Gás que não largou na frente, mas abriu caminho para a liderança e vitória tranquila. No segundo pelotão, Wânio Filho, Andre Leite, Thiago Mota e Lucas andaram colados e assim concluíram a bateria.
1. Arthur Gás
2. Wânio Filho
3. Andre Leite

MX Amador 
- A corrida foi marcada pelo duelo entre Jordânio e Thiago, que andaram juntos toda a bateria e terminaram nessa sequência.
1. Jordânio
2. Thiago
3. Lucas Almeida

MX3 
- Julio Cesar de Quixadá saiu na frente mas não segurou a pressão e foi superado por Wânio, Kleber e Nardelio. Depois da metade da prova o duelo pela vitória ficou entre Wânio e Jose Kleber, que levou a melhor.
1. Jose Kleber
2. Wânio
3. Nardelio

MX4 
- Julio Cesar também saiu na frente, liderou 90% da prova, até perder a liderança para Wânio.
1. Wânio
2. Julio Cesar
3. Nego Diesel

F.L.Nacional 
- Corrida super disputada, um dos favoritos Arthur Gás ficou na largada, Macalé saiu bem seguido de Andre Leite que errou em seguida indo ao chão. Thiago Mota com uma tocada constante superou Macalé e venceu com boa vantagem. Em corrida de recuperação Arthur veio de trás e assumiu a segunda posição, Macalé ainda foi ameaçado por André, mas segurou o terceiro posto.
1. Thiago Mota
2. Arthur Gás
3. Macalé

85cc 
- Reginaldo Vitor disparou na ponta, mas abandonou na metade da bateria com problema mecânico. Goianinho em corrida sem erros venceu. Ilis Junior ficou em segundo e Rui Matheus na sequência.
1. Goianinho
2. Ilis Junior
3. Rui Matheus

65cc 
- Mesmo caindo duas vezes, Goianinho comandou a categoria, vencendo sem pressão. O público feminino vibrando com o desempenho de Giovanna, que representou a classe feminina e terminou em segundo.
1. Goianinho
2. Giovanna
3. Wauam Cross

O destaque foi a torcida do público para Goianinho de apenas 11 anos que mostrou grande talento e que aparece já um futuro promissor neste esporte.

200cc
- Nesta categoria o piloto Arley Lemos de Pentecoste fazendo a melhor volta com 00:01:12.481 só conseguiu o segundo lugar devido a problema de embreagem, mas colado em Jocelio que não cometeu erro, se errasse Arley assumia pois a diferença era de apenas 00:00:05.564 (Junior Pentecoste.com.br)
1. Jocelio
2. Arley Lemos
3. Laercio

Nac Iniciante
1. Jordânio
2. Fran
3. Lucas Ferreira


Aqui tem algumas imagens da S2 Sport (tem legenda),
outras imagens são Junior Pentecoste.com.br
Esta foi a II Etapa do Campeonato Cearense de Motocross na cidade de Pentecoste - I PENTECROSS com organização e realização de Dr. Ricardo Bertini – Lembrando que durante a transmissão do evento pelo Carira Cross, foi divulgado a possibilidade de uma Etapa do Nordeste de Motocross no Motódromo Clube do Peixe - CE 341, km 16 (Três Lagoas) – Pentecoste/CE

Neste pequeno vídeo confira como foi este domingo...



O organizador e idealizador do Motódromo Clube do Peixe Dr. Ricardo Bertini, agradece a todos os patrocinadores e apoiadores que contribuíram com a realização da II Etapa do Cearense de Motocross na cidade de Pentecoste e também a Deputada Bethrose que colaborou com o evento. Ainda agradece toda a equipe que trabalhou no evento.



O mundo do Motocross está em Pentecoste.


Neste sábado (05) Pentecoste presenciou os seus personagens, atores, coadjuvantes e figurantes... Neste evento podemos perceber as pessoas dos bastidores que fazem a coisa acontecer, grandes pilotos de Pentecoste (Arley, Kennedy e Nauã) e pilotos de todos os Estados do Nordeste com as suas máquinas, patrocinadores, apoiadores, comunicadores (narrador e revista especializada), Federação Cearense e representantes de outras federações estaduais, revendedores, enfim um mundo grande de negócios e lazer... 

Tem os que faltam com as suas responsabilidades, os que assumem, tem aqueles casos que recaem nas costas dos outros, os que querem aparecer, o que ajuda, é "pau pra toda hora", o improviso, falta alguma coisa, mas tem excesso de outra, o faz tudo... Hora da chuva, da lama e do sol. Tudo tem neste mundo de velocidade, adrenalina e muita emoção... 

Esta é a II Etapa do Campeonato Cearense de Motocross na cidade de Pentecoste - I PENTECROSS no Clube do Peixe - CE 341, km 16 (Três Lagoas) - Organização Dr. Ricardo Bertini - 

Neste domingo (06) a partir das 9hs treinos livre e depois as tomadas de tempo. Após as 13h30m a tão esperada competição. Não perca, compareça e venha conhecer esse mundo de velocidade e adrenalina.

A II Etapa do Campeonato Cearense de Moto Cross já chegou a Pentecoste, estamos falando de pilotos e máquinas.


O presidente da Federação Cearense já se encontra em Pentecoste,fazendo os últimos retoques e ajustando ainda o que falta para que esse grande evento motociclista possa explodir em Pentecoste.

Temos também a presença do narrador CARIRACROSS - Filho da cidade de Carira-interior do estado de Sergipe. Como chegou a ser narrador - Sempre apaixonado por MotoCross, comprou a sua primeira moto uma DT 180 e foi tentar ser piloto em uma corrida na cidade de Laranjeiras perto da capital Sergipana, na hora da prova faltou o locutor e convidaram para que fosse o narrador da prova, aceitando de imediato e no domingo seguinte teve o 1º Jeep Show de Sergipe, no qual também foi convidado e assim por diante começou a receber convites para corridas de Kart, provas de Arrancadas e ganhando o cenário nacional, sendo considerado hoje o melhor narrador de Motocross. Diz que a sua paixão mesmo sempre foi o motociclismo. Seus parceiros de trabalho de vários anos: Juvenal Alves, Cacau, Fernando de João Miúdo. (JESUS CRISTO seu maior patrocinador) - Contatos: (79) 8823 4572 - OI, (83) 9971 5524 -TIM, (79) 9903 4572 - VIVO, Email: cariracross@hotmail.com e site com programa ao vivo todas as quintas em www.cariracross.com.br

S2 SPORTS - referência em informar em primeira mão tudo que rola no motocross no Brasil e no Mundo, é uma revista virtual que fará a cobertura e já se encontra em Pentecoste desde quarta feira, fazendo o seu trabalho.

Temos a presença já de Goianinho piloto de 11 anos na cidade de Pentecoste e outros grandes pilotos do motociclismo do Estado do Ceará, já estão a caminho. Temos também confirmado a presença de grandes pilotos locais como o Arley Lemos, Kennedy e Nauã.

Piloto Goianinho

Compareça ao I PENTECROSS no Clube do Peixe, nas Três Lagoas, CE 341 km 16 - Organização Dr. Ricardo Bertini.


Neste sábado teremos treino livre a partir da 14 horas e domingo será a competição. 

Pentecoste é Pentecross...

BRUXELAS, 1 Abr (Reuters) - A Otan anunciou nesta terça-feira que vai suspender "toda cooperação prática militar e civil" com a Rússia devido à ocupação e anexação da região ucraniana da Crimeia por Moscou.

A decisão foi tomada por chanceleres da Otan, que pediram à Rússia em um comunicado que "tome passos imediatos... para voltar a cumprir a legislação internacional".

A Otan e a Ucrânia divulgaram um comunicado conjunto após um encontro de ministros em Bruxelas em que dizem que vão intensificar a cooperação e promover reformas na defesa ucraniana através de treinamentos e outros programas.

(Reportagem de Adrian Croft)

A tributação das chamadas "bebidas frias" – categoria que engloba cervejas, águas, isotônicos, energéticos e refrigerantes, entre outros produtos – foi elevada nesta terça-feira (1º). Em portaria publicada no "Diário Oficial da União", a Secretaria da Receita Federal atualizou o redutor que define a tributação do IPI, PIS e COFINS sobre estes produtos.

Imagem Ilustrativa (Google)
(Correção: ao ser publicada, esta reportagem informou que a Receita havia reajustado a tabela de bebidas frias. Na realidade, foi atualizado o redutor que define a tributação sobre esses produtos).

O governo, entretanto, não informou qual será o percentual de elevação média para todos os produtos nem sobre cada um individualmente. A Secretaria da Receita informou apenas que espera arrecadar R$ 200 milhões a mais este ano com a medida.

O aumento da tributação já era esperado: o governo já havia anunciado, na semana passada, que poderia haver reajuste desses itens. Nesta terça-feira, o Ministério da Fazenda declarou, porém, que essa medida já estava no último relatório do orçamento federal e que não tem relação com a conta de luz.

Mesmo não admitindo a ligação da atualização do redutor sobre as bebidas frias com a energia elétrica, o governo busca reunir recursos para evitar a alta na conta de luz em 2014. Isso porque está havendo um maior uso da energia das termelétricas – cuja produção é mais cara – o que poderia resultar em aumento das tarifas.

Para bancar esse custo, haverá um novo aporte do Tesouro, no valor de R$ 4 bilhões, na Conta de Desenvolvimento Energético, que vai bancar parte da conta extra, e será permitido que as distribuidoras emprestem R$ 8 bilhões no mercado. São esses R$ 4 bilhões do governo que os aumentos de tributos pretendem compensar.

Repasses

O governo lembra que o mercado de bebidas é livre. Desse modo, eventuais repasses da alta da tributação para o consumidor dependerão de uma decisão das empresas. Em anos anteriores, quando houve reajuste da tributação de bebidas frias, os produtores decidiram repassar a alta para os preços dos produtos finais.

Se houver esse repasse, a nova tributação das bebidas pode acabar tendo influência na inflação. Na última semana, o mercado financeiro projetou um Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 6,30% para 2014 – valor bem próximo ao teto de 6,5% do sistema de metas de inflação. Há quatro anos seguidos, a inflação no país oscila ao redor de 6%. ORB

Pedida pela primeira vez, desde que o caso surgiu há seis anos (2008), a prisão de envolvidos no cartel do trensalão, que funcionou durante 10 anos, de 1998 a 2008, em três governos tucanos de São Paulo, comandados pelos governadores Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra, todos do PSDB. A prisão de 13 implicados foi pedida nesta quinta (27.03).

A prisão foi requerida pelo Ministério Público de São Paulo (MPE-SP). Eles são todos executivos de multinacionais do setor metroferroviário, suspeitos de envolvimento com o cartel. Estão todos fora do Brasil hoje, mas a alegação central da promotoria é exatamente  que saíram do País, “ignorando a investigação deliberadamente”.

Dos que tiveram prisão requerida, cinco são executivos da Siemens – Peter Rathgeber (gerente de vendas), Robert Huber Weber (diretor da Siemens AG), Herbert Hans Steffen (membro do conselho regional), Rainer Giebl (diretor comercial da Siemens AG para América do Sul) e José Aniorte Jimenez (diretor técnico regional de vendas de trens e metrô na Espanha, América do Norte e América do Sul da Siemens AG).

O ex-presidente no Brasil da companhia canadense Bombardier Serge Van Temsche também teve a prisão pedida. A promotoria sustenta que as prisões são necessárias para “garantia da ordem econômica” e “para assegurar a aplicação da lei penal”. Os pedidos de prisão foram feitos pelo promotor de Justiça Marcelo Mendroni, do Grupo de Delitos Econômicos do Ministério Público.

‘Agora, procurados’

Mendroni, autor das  cinco denúncias criminais contra o cartel do trensalão tucano paulista, pede à Justiça que os mandados de prisão sejam encaminhados à Polícia Federal (PF) e à Interpol (polícia internacional) “para que promova regular inserção no site próprio como (os 13 são) procurados pelas autoridades brasileiras”.

As denúncias contra 30 executivos e ex-executivos de 12 empresas que atuaram no trensalão constituem o foco central das cinco ações criminais iniciadas por Mentoni. Nelas, ele acusa executivos e empresas de terem montado, participado e se beneficiado de um cartel em projetos na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e no Metrô de São Paulo.

O promotor aponta exclusivamente os crimes de cartel e fraude a licitações. Não menciona corrupção e nenhum agente público, nem político do PSDB paulista, também sob suspeita, porque esta parte da investigação é da alçada de outro setor do Ministério Público. Na fundamentação dos pedidos de prisão, o promotor de Justiça assinala: “Para a eficácia da medida, se for o caso, requer-se que seja oficiado à própria Interpol ou à respectiva Justiça do país de origem para obtenção dos dados eventualmente necessários ou complementares.”

O deputado Pedro Eugênio (PT-PE) rebateu nesta sexta-feira (28) as acusações do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), de que o valor da Petrobrás construído “ao longo de 50 anos” teria caído à metade de 2010 para cá. O parlamentar petista observou que o presidenciável do PSB está redondamente enganado. “Ele sabe que o que caiu pela metade foi o valor das ações da Petrobrás. A empresa em si está mais forte que nunca. Fazendo investimentos pesados para poder explorar o pré-sal”, disse.

“Quando (Eduardo Campos) diz que Dilma "reduziu a Petrobrás à metade" diz algo que não é verdade. E defende que a Petrobrás atue como uma empresa privada, idéia tucana por excelência (deve ter aprendido isso com Aécio Neves) “, provocou o petista.

Para Pedro Eugênio, os ataques do governador de Pernambuco ferem os interesses nacionais e os dos trabalhadores, ao atacar a estatal. “ Na prática, Eduardo é: contra a fabricação no Brasil de navios e plataformas para a Petrobras; contra a criação dos novos estaleiros; contra a Petrobras tomar empréstimos para investir em sua capacidade de explorar o pré-sal; a favor do aumento violento dos preços dos combustíveis igualando-os automaticamente aos preços internacionais.”

Conforme dados da própria estatal, o valor de mercado da empresa em 2002, último anos dos dois mandatos do tucano Fernando Henrique Cardoso, era de 15,4 bilhões de dólares. O valor de mercado atual da companhia é cerca de 93 bilhões de dólares , seis vezes mais que à época de FHC, graças à política de fortalecimento da empresa empreendida pelos governos Lula e Dilma.

Pedro Eugênio frisou que a Petrobras tem realizado vultosos investimentos para explorar o pré-sal. “Pra isso, contraiu dívidas, tem lucros reduzidos, o que não agrada o mercado financeiro, que prefere ter lucros imediatos”, comentou em sua página no Facebook. “O mercado gostaria também que a Petrobras tivesse comprado plataformas e navios no exterior mais baratos do que os feitos agora no Brasil. A empresa teria maiores lucros mas não teríamos os novos estaleiros em Pernambuco e Brasil afora gerando milhares de empregos”, acrescentou Pedro Eugênio.

Em 2002, os estaleiros no Brasil estavam praticamente fechados, com apenas 2 mil empregos; hoje, são 80 mil empregos diretos, graças à política da Petrobras (e do PT) de privilegiar compras às indústrias nacionais.

Pedro Eugênio cutucou Eduardo Campos, o presidenciável tucano Aécio Neves e os operadores do mercado financeiro que, junto com “analistas” da mídia, atacam a Petrobras.

Ele observou que a estatal petrolífera “ poderia ajustar sempre o preço do combustível no Brasil ao preço internacional, aumentando os lucros da empresa (e os dividendos dos acionistas) mas aumentando a inflação e aumentando o custo Brasil.” Para ele, o mercado financeiro agradeceria se todas as medidas preconizadas pelo PSB e PSDB fosse adotadas pela Petrobras, mesmo que isso contrariasse toda a política exitosa que tem sido adotada de 2003 até agora.

Militares extorquiram vencedores de licitações que forneceriam equipamentos destinados a melhorar as condições das Forças Armadas

Enzo Martins Peri (Centro), 
general de Exército
Neste mês de março, ocorreu a “Marcha da Família”, que vem sendo apoiada por setores das Forças Armadas. O principal objetivo da Marcha é pedir uma intervenção militar e um dos pretextos é a corrupção do governo do PT, sendo o principal alvo deles o caso do “mensalão”. Além disso, ativistas pró-golpe divulgam na internet mensagens que afirmam que na época da ditadura não havia corrupção. O que não corresponde a realidade.

Em junho do ano passado, Dilma Rousseff lançou o programa PAC Equipamentos que o próprio governo federal alegou ter como objetivo modernizar os equipamentos do Exército, Marinha e Aeronáutica e estimular a economia.

No total, o montante destinado ao projeto foi de R$ 8,4 bilhões para ministérios e para as próprias Forças Armadas. Somente o Exército gastou mais R$1,8 bilhão em equipamentos. As denúncias de corrupção envolvem justamente estas compras.

Militares de alta patente estão sendo acusados de extorquir as empresas que venceram as licitações para a compra destes equipamentos terrestres. Uma sindicância foi aberta para investigar o caso, no entanto, as investigações correm em sigilo de justiça, um privilégio previsto para militares que estejam diante desta situação.

É preciso denunciar este caso de corrupção porque, entre outras coisas, revela a farsa da campanha “anticorrupção” da direita que deseja a volta do regime militar. Além disso, a investigação deve se tornar pública para que a população possa acompanhar o desvio de verba feita pela cúpula do Exército com dinheiro público.