Após cobrança dura, encontro entre Lira e Lula deve demorar; conversa com Pacheco já ocorreu

Depois da forte e dura cobrança de Arthur Lira (PP-AL) durante a abertura dos trabalhos do Legislativo, quando foi efusivamente aplaudido pelos deputados, assessores do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) avaliam que o encontro pedido pelo presidente da Câmara dos Deputados não deve acontecer tão cedo.

Enquanto isso, o petista conversou na tarde de segunda-feira (5) com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Na avaliação de assessores diretos de Lula, o clima ficou ruim para que um encontro seja realizado ainda nesta semana, como deseja Arthur Lira.

"Ele podia ter feito a cobrança num parágrafo, mas preferiu fazer uma cobrança do início ao fim, em tom pesado, isso deixa o presidente numa situação desconfortável para se encontrar com o Lira", avalia um assessor do presidente da República, destacando que a decisão é de Lula.

Lira exigiu, repetidamente, o cumprimento de acordos firmados, afirmou que o Orçamento é de "todos e todas", e não só uma exclusividade do Executivo, e praticamente ameaçou ao afirmar: "Não subestimem esta Mesa Diretora, não subestimem os membros desta Legislatura".

Mais de uma vez, ele falou que o pilar essencial de uma boa política é o respeito aos acordos firmados e o cumprimento à palavra empenhada. Lira tem reclamado de acordos não cumpridos pelo Palácio do Planalto durante o ano passado. E cobrou a contrapartida do governo.

Depois do encerramento da sessão, Lira saiu aplaudido do plenário e os ministros do governo Lula reagiram diplomaticamente, dizendo que a fala foi natural, como presidente da Câmara dos Deputados.

Mas quando voltaram para o Palácio do Planalto, a avaliação foi outra: a de que Arthur Lira deixou claro que vai cobrar uma fatura alta do governo neste ano para aprovar as propostas do Executivo e que o primeiro semestre tende a ser muito difícil.

Lira havia pedido um encontro nesta sexta-feira (9), mas agora o presidente deve deixar a reunião para bem depois do Carnaval. Por enquanto, diz uma auxiliar, se Lula já não estava tão disposto a se encontrar o presidente da Câmara, agora a indisposição aumentou ainda mais.

Por outro lado, Lula chamou Rodrigo Pacheco para uma conversa na segunda mesmo. O encontro estava meio combinado desde a quinta passada, quando se encontraram antes da posse do novo ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski.

Na conversa, eles conversaram sobre o ano legislativo, centrado na pauta econômica, e na viagem de Lula a Minas nesta quinta-feira, quando o presidente vai estar em Belo Horizonte, pela primeira vez desde que foi eleito para um terceiro mandato.

Por Valdo Cruz (g1), comentarista de política e economia 

Post a Comment

Aviso aos internautas:
Quando você comenta como anônimo, sua opinião não tem nenhum valor e não será publicada. Portanto pedimos aos nossos leitores que ao fazer comentários se identifiquem.
A sua opinião é muito importante para nós.

Postagem Anterior Próxima Postagem