Portugal dissolve Parlamento antes das eleições antecipadas em março

Primeiro-ministro socialista António Costa renunciou em novembro em meio a uma crise política

O líder português do partido de extrema-direita Chega, André Ventura, é aclamado por apoiadores em Viana do Castelo — Foto: MIGUEL RIOPA/ AFP

O presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, dissolveu o Parlamento e confirmou a convocação de eleições legislativas antecipadas para 10 de março, após a renúncia, em novembro, do primeiro-ministro, o socialista António Costa, segundo um decreto publicado nesta segunda-feira.

O país está atolado em uma crise política desde o início de novembro, depois de uma série de detenções e que levaram à acusação formal do chefe de Gabinete de Costa e do seu ministro das Infraestruturas, em um caso de tráfico de influências.

Brasileiros comandavam laboratório de cocaína em Portugal

O Ministério Público indicou então que o chefe do governo, à frente do país desde 2015, seria alvo de uma investigação separada. Costa anunciou imediatamente a sua renúncia e declarou que não iria candidatar-se a outro mandato.

Segundo a imprensa local, ele pode estar envolvido em um caso de prevaricação, infração cometida por um funcionário eleito que intervém no âmbito das suas funções para beneficiar ou prejudicar alguém.

O Partido Socialista, que lidera as pesquisas embora não obtenha maioria absoluta, nomeou Pedro Nuno Santos como novo secretário-geral em dezembro.

Por AFP — Lisboa

Via O Globo

Post a Comment

Aviso aos internautas:
Quando você comenta como anônimo, sua opinião não tem nenhum valor e não será publicada. Portanto pedimos aos nossos leitores que ao fazer comentários se identifiquem.
A sua opinião é muito importante para nós.

Postagem Anterior Próxima Postagem