Como Bolsonaro alavancou negócios de Renato Cariani em troca de live eleitoreira

Além da indústria química usada, segundo a PF, para desvio de produtos para produção de cocaína e crack, influencer se diz sócio de outras empresas que foram beneficiadas por isenção eleitoreira de Bolsonaro.



Cariani e Jair Bolsonaro.
Créditos: Reprodução/Redes Sociais

Mais do que o apoio, Renato Cariani, investigado por tráfico de produtos para produzir crack, fez negócios com Jair Bolsonaro (PL) durante a campanha eleitoral em 2022, quando promoveu uma live de cerca de duas horas para promover a cambaleante candidatura do então candidato à reeleição, que sucumbia ao avanço de Lula.

LEIA TAMBÉM:
Com mais de 7 milhões de seguidores só em seu perfil no Instagram, Cariani se uniu ao médico Paulo Muzy, que tem outros 8 milhões de seguidores na mesma rede, para promover uma mega live com Bolsonaro no dia 26 de agosto de 2022.

A transmissão aconteceu no podcast Ironberg, a maior audiência no meio maromba no YouTube, e teve picos de 400 mil espectadores online. Bolsonaro foi recebido com uma grande festa entre seguidores dos dois fisiculturistas na academia da qual Cariani é sócio em São Caetano do Sul, no ABC paulista.

O negócio para promoção da candidatura foi acertado, no entanto, uma semana antes, quando Bolsonaro anunciou em sua live semanal a isenção tributária para importação de uma série de suplementos alimentares e produtos usados em sua fabricação.

"O Governo Federal zerou imposto de importação de suplementos alimentares, como whey protein, creatina, BCAA e multivitamínicos, e diversos itens de nutrição esportiva, além de reduzir de 11,2 pra 4% os impostos para diversos outros itens, como proteínas lácteas e Albumina", anunciou nas redes.
Como justificativa, Bolsonaro, que publicou uma imagem com sua cabeça em um corpo de fisiculturista, afirmou que era para "ajudar o pessoal que malha". Cariani ainda fez a última tentativa de influenciar os marombas a votarem em Bolsonaro em vídeo divulgado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ) no dia 30 de outubro, no segundo turno das eleições.

"Laranjas"

A isenção eleitoreira, como foi chamada por especialistas, impactou diretamente nos negócios de Cariani. Além de sócio da Anidrol, uma indústria química que fica em Diadema, na Grande São Paulo, e que, segundo a PF, era usada para tráfico e desvio de produtos para produção de cocaína e crack, Cariani se coloca como sócio de uma empresa que produz suplementos.

Embora não conste como sócio formal da Supley Laboratório de Alimentos e Suplementos Nutricionais Ltda, que controla a Probiótica Laboratórios, Cariani já afirmou diversas vezes ter sociedade nas empresas.

"Eu sou sócio do grupo Supley, que compreende a Maxi Titanium Probiótica e uma marca chamada Doctor Pênalti. Maxi Titanium Probiótica é uma marca de suplementos e a Doctor Peanut é uma marca de pasta de amendoim. E sou responsável pelo marketing dessa empresa. Juntamente com isso tenho academias, né? Que fazem parte do meu plano fitness. Além disso tenho outras empresas menores", disse Cariani em entrevista a um podcast. Nas redes sociais, ele também se coloca como empresário e divulga os perfis da Probiótica.

No entanto, na Receita Federal, Renato Pessoa Cariani aparece como sócio apenas da Anidrol - onde tem como sócio Roseli Dorth. Ele já teria sido sócio em duas empresas - Cariani Master Class e Cariani participações -, que não se encontram mais ativas.

A informação se liga com a investigação conduzida pela Polícia Federal, que afirma que "esquema abrangia a emissão fraudulenta de notas fiscais por empresas licenciadas a vender produtos químicos em São Paulo, usando “laranjas” para depósitos em espécie, como se fossem funcionários de grandes multinacionais, vítimas que figuraram como compradoras".

A informação revela que Cariani pode ter usado "laranjas" em outras atividades empresariais.

Denúncia à PGE

A isenção eleitoreira de impostos para a indústria de suplementos feita por Bolsonaro uma semana antes da live com Cariani e Muzy chegou a ser alvo de uma representação feita à Procuradoria-Geral da República (PGR).

"A sugestão é que se investigue a utilização do Estado para o favorecimento de empresas de suplemento, o que por sua vez traz indícios de que uma transmissão de um podcast ao vivo poderia servir de retribuição ao então candidato pela medida de isenção tributária. Além disso, sugere-se que seja realizada a investigação do canal de Youtube por campanha paralela para a chapa Jair Messias Bolsonaro e Braga Neto", diz a denúncia.

A ação mira além de Bolsonaro, Cariani e Muzy, Tiago Ribeiro de Lima, apelido Toguro, amigo de Jair Renan, influenciador fitness e parceiro eventual de conteúdos com os canais das marcas de suplemento Probiótica, Max Titanium e Growth Suplementos.

Entre as questões levantadas, a ação pede para que a PGR meça "o impacto financeiro da isenção de impostos sobre o Whey Protein para as empresas Max Titanium e Probiótica". A denúncia, no entanto, acabou rejeitada pelo vice-procurador-geral eleitoral, Paulo Gonet, que foi indicado por Lula para substituir Augusto Aras no comando da PGR. Ele será sabatinado nesta quarta-feira (13) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

Post a Comment

Aviso aos internautas:
Quando você comenta como anônimo, sua opinião não tem nenhum valor e não será publicada. Portanto pedimos aos nossos leitores que ao fazer comentários se identifiquem.
A sua opinião é muito importante para nós.

Postagem Anterior Próxima Postagem